Capacitação em valoração de serviços ecossistêmicos

TeSE promove sessão de capacitação no uso da versão 2.0 das Diretrizes Empresariais para Valoração Econômica de Serviços Ecossistêmicos (DEVESE) 18/08/2015
COMPARTILHE

Local: FGV-EAESP
Data: 05 e 06 de agosto de 2015 Projeto: Tendências em Serviços Ecossistêmicos (TeSE) Participantes: Representantes de empresas membros e convidados da TeSE Texto: Bruno Toledo (GVces)

Sair na frente, assegurar os negócios do presente, aproveitar as oportunidades futuras. Para muitas empresas, o desafio dos serviços ecossistêmicos já faz parte da sua realidade operacional, e a gestão desses recursos importantes começa a entrar na agenda estratégica dessas organizações. Nesse sentido, o primeiro passo tem sido encontrar uma métrica que consiga traduzir o valor intangível desses recursos para uma linguagem monetária, que possa ser absorvida e praticada pelo mercado. 

É nesse esforço que se insere a proposta de travalho da iniciativa Tendências em Serviços Ecossistêmicos (TeSE), do Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP (GVces): apoiar as empresas no desenvolvimento de estratégias e ferramentas destinadas à gestão empresarial de impactos, riscos, dependências e oportunidades relacionados a serviços ecossistêmicos.

Em linha com essa proposta, a TeSE promoveu nos dias 05 e 06 de agosto passado uma sessão de capacitação a empresas no uso e aplicação da versão 2.0 das Diretrizes Empresariais para Valoração Econômica (DEVESE), coconstruída pela TeSE e suas empresas membros ao longo dos seus ciclos 2013 e 2014. Ao mesmo tempo, a capacitação também serviu para orientar as empresas sobre como incorporar os resultados das valorações em seus processos de gestão, além de abordar temas como o relato de externalidades ambientais e gestão empresarial de serviços ecossistêmicos.

A partir de dinâmicas interativas, os participantes da capacitação foram convidados a refletir sobre a importância da valoração dos serviços ecossistêmicos e sobre como desenhar estratégias voltadas para a incorporação desses serviços nas tomadas de decisão.

“Esta capacitação foi muito importante para testarmos a ferramenta e as diretrizes construídas pela TeSE em 2014, bem como para contar com a participação de públicos diferenciados, como pequenas e médias empresas e representantes da CNI [Confederação Nacional da Indústria] e do Ministério do Meio Ambiente”, aponta Luciana Alves, representante do TEEB Regional Local no Brasil, um dos parceiros da TeSE desde o ano passado. “Quanto mais atores-chave conhecem e se apropriam da metodologia, maior será a disseminação do tema e utilização na integração da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos nos processos de tomada de decisão”.

Próximos passos - No final de agosto, os membros da TeSE, junto com outras iniciativas empresariais do GVces – Plataforma Empresas pelo Clima (EPC), Desenvolvimento Local e Grandes Empreendimentos (ID Local), Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor (ISCV), e Ciclo de Vida Aplicado (CiViA) – participarão da Jornada Empresarial "Terceira Margem", uma viagem de campo que permite aos participantes perceber as complexidades de desafios, interesses, papéis e ideias que permeiam assuntos-chave da sustentabilidade. 

Em setembro, a TeSE promoverá mais um grupo de trabalho (GT) para avançar na elaboração de diretrizes para valoração não econômica de serviços ecossistêmicos culturais (SEC), um dos principais objetivos da iniciativa no ciclo 2015. Acompanhe as atividades da TeSE aqui.

Fotos: Isabella Fumeiro/GVces

Mais Lidos

Nenhum post encontrado.